A VIVÊNCIA DO ADOECIMENTO: Reflexões sobre Liberdade e Busca de Sentido à luz da Psicologia Existencialista

Autores

  • Maria Leia Kratsch Faculdade Sant'Ana.

Resumo

Este trabalho tem como objetivo apresentar uma compreensão do fenômeno do adoecimento a partir de uma perspectiva fenomenológica humanista e existencial. De modo mais específico, busca-se tratar este fenômeno não como uma mera experiência negativa, mas como uma possibilidade de ressignificação da própria existência. Para tanto, utilizar-se-á da pesquisa bibliográfica sob o respaldo de autores da fenomenologia existencial. Pode-se, portanto, refletir sobre a interface saúde e doença, tendo como pressuposto de que o homem pode se tornar um agente transformador de algo negativo, como o adoecimento, em algo positivo e possível de encontrar um sentido. Assim, pode-se verificar que a postura que se assume diante de uma situação de sofrimento está relacionada a atitude frente a um destino inevitável e inalterável. O destino pode não ser mudado, contudo, o homem pode mudar a si mesmo, pode se definir e redefinir. Nessa direção, a atuação do psicólogo se ocupa em despertar a consciência para o autoconhecimento, para a realização de valores, em desenvolver a capacidade para enfrentar e superar as dificuldades, isto é, desenvolver e potencializar a resiliência. A relação terapêutica aparece como condição necessária geradora de mudanças no indivíduo com intuito de levá-lo a buscar sentido, sendo este o caminho para autotranscedência.

Biografia do Autor

Maria Leia Kratsch, Faculdade Sant'Ana.

Bacharel em Psicóloga. Especialista em Psicologia Humanista.

Referências

ANGERAMI-CAMON, Valdemar Augusto. Psicoterapia Existencial. São Paulo: Thomson Learning Brasil, 2007.

CAMPOS, Terezinha Calil Padis. Psicologia Hospitalar: a atuação do psicólogo em hospitais. São Paulo: EPU, 1995.

COELHO, M. O. A dor da perda da saúde. In ANGERAMI-CAMON, Valdemar Augusto (org.); Psicossomática e a psicologia da dor. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2001, p. 69-92.

EWALD, Ariane. Fenomenologia e Existencialismo: articulando nexos, costurando sentidos. Revista Estudos e Pesquisas em Psicologia. Rio de Janeiro, n. 02, 2008. p. 149-165.

FAYAD, Marilda Martins. A condição humana: uma reflexão sobre a ontologia fenomenológica sartriana. Campinas: Editora Alínea, 2010.

FORGHIERI, Yolanda Cintrão. Psicologia Fenomenológica: fundamentos, método e pesquisas. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

FRANKL, V. E. Em busca de sentido: Um psicólogo no campo de concentração. Petrópolis: Ed. Vozes, 1991.

FRANKL, V.E. Psicoterapia e sentido da vida: fundamentos da Logoterapia e Análise Existencial. São Paulo: Quadrante, 2003.

FRANKL, Viktor. Um sentido para a vida: psicoterapia e humanismo. Aparecida, SP: Idéias & Letras, 2005.

FREITAS, Joaneneliese de Lucas. Experiência de adoecimento e morte: diálogos entre pesquisa e Gestalt- terapia. Curitiba: Jurua, 2010.

GOMES, José Carlos Vitor. A prática da Psicoterapia Existencial. Petrópolis: Vozes, 1987.

HOLANDA, Adriano Furtado. Fenomenologia e Humanismo: Reflexões Necessárias. Curitiba: Juruá, 2014.

LUKAS, E. Logoterapia “A força desafiadora do espírito”. São Paulo: Ed. Loyola, 1989.

REMEN, Rachel Naomi. O paciente como ser humano. Tradução Denise Bolanho. São Paulo: Summus, 1993.

RIBEIRO, Viviane dos Santos Gonçalves. Pesar ou pensar: Quando há escuta ao paciente oncológico. In: ISMAEL, Silvia Maria Cury; SANTOS, Janaina Xavier de Andrade dos. Psicologia hospitalar sobre o Adoecimento...Articulando conceitos com a Prática Clínica. São Paulo: Editora Atheneu, 2013, p. 72-90.

SANTOS, Claudia Tavares dos, SEBASTIANI, Ricardo Werner. Acompanhamento psicológico a pessoa portadora de doença crônica. In: ANGERAMI-CAMON, Valdemar Augusto (org); CHIATTONE, Heloísa Benevides Carvalho (et al). E a Psicologia entrou no hospital. São Paulo: Cengage Learning, 2013, p.147-176.

SARTRE, Jean Paul. O ser e o nada. Ensaio de ontologia fenomenológica. 15 ed., tradução de Paulo Perdigão. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2007.

SCHNEIDER, Daniela Ribeiro. Sartre e a Psicologia Clínica. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2011.

Downloads

Publicado

26-04-2019

Edição

Seção

Artigos