FISSURASLABIOPALATINAS– SUAS CARACTERÍSTICAS, TRATAMENTOS E INCLUSÃO SOCIAL

Jocelea Iwasenko Almeida, Vilma Antunes da Silva, Márcia Rezande

Resumo


As fissuras labiopalatinas são malformações congênitas que causam alterações estéticas, funcionais e psicossociais. Devem ser tratadas e acompanhadas por equipe multidisciplinar, que contribuem para a reabilitação dessa anomalia. Com base no exposto, foi realizada uma revisão de literatura buscando maior compreensão sobre as fissuras labiopalatinas, apresentar as possibilidade de tratamento, bem como a importância da família e da escola nesse contexto. Pode-se concluir que quanto antes as fissuras forem diagnosticadas e tratadas, haverá mais êxito na reabilitação, pois propiciará crescimento e desenvolvimento harmonioso. E que o apoio dos pais e da escola pode influenciar na maneira de enfrentamento do problema.


Texto completo:

PDF

Referências


ARMBRUSTER, Lilia Maria. Fissuras labiopalatais: etiologia, epidemiologia e consequências. Piracicaba, SP: [s.n.], 2002. 52f.

BIAZON, Janir; PENICHE, Aparecida de Cássia Giani. Estudo retrospectivo das complicações pós-operatórias em cirurgia primária de lábio e palato. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, v. 42, n. 3, p. 519-525, set. 2008 .

CARVALHO, APB de; TAVANO, L. D. Avaliação dos pais diante do nascimento e tratamento dos filhos portadores de fissura labiopalatal, no Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da Universidade de São Paulo-Bauru. Pediatria Moderna, v. 36, n. 12, p. 842-847, 2000.

CUNHA, Elza Cristina Miranda da et al. Antropometria e fatores de risco em recém-nascidos com fendas faciais. Rev. bras. Epidemiol., São Paulo , v. 7, n. 4, p. 417-422, dez. 2004 .

DA SILVA MORALEJO, Cristiane Denise et al. Avaliação das condições de higiene bucal e hábitos em pacientes com fissura de lábio e palato-estudo retrospectivo. Cidadania em Ação: Revista de Extensão e Cultura, v. 7, n. 1, 2013.

GARCIA, Regina Celia Meira. Aspectos psicossociais e familiares de indivíduos com e sem distúrbios da comunicação decorrentes da fissura labiopalatina. 2006. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

GARIB, Daniela G. et al. Etiologia das más oclusões: perspectiva clínica (parte III)- fissuras labiopalatinas. Revista Clínica de Ortodontia Dental Press, v. 9, n. 4, 2010.

LIMA, Ferreira Rosário do Maria et al. Atendimento fonoaudiológico intensivo em pacientes operados de fissura labiopalatina: relato de casos. Rev. Soc.

Bras Fonoaudiol. v. 12, n. 3, p. 240-246, 2007.

LOFFREDO, Leonor de Castro Monteiro et al. Fissuras lábio-palatais: estudo caso-controle. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 28, n. 3, p. 213-217, jun. 1994 .

SILVA, Cintia Magali da et al. A escola na promoção da saúde de crianças com fissura labiopalatal. Texto contexto - enferm., Florianópolis , v. 22, n. 4, p. 1041-1048, dez. 2013 .

SOUZA, Josiane; RASKIN, Salmo. Clinical and epidemiological study of orofacial clefts. Jornal de pediatria, v. 89, n. 2, p. 137-144, 2013.

VANZ, Ana Paula; RIBEIRO, Nair Regina Ritter. Escutando as mães de portadores de fissuras orais. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, v. 45, n. 3, p. 596-602, jun. 2011 .


Apontamentos

  • Não há apontamentos.