ECONOMIA SOLIDARIA COMO PROPOSTA DE TECNOLOGIA SOCIAL PARA MULHERES EM SITUAÇÃO DE RISCO.

Lizandra Diniz, Sara Scheidt Soriano

Resumo


O presente estudo refere-se a um relato de experiência realizado no campo de estagio, no ano de 2018. Trata-se de demonstrar como, uma ação da economia solidaria, pode oferecer possibilidades de empoderamento social a um grupo de mulheres marginalizadas de uma comunidade, tendo como resultado o surgimento de uma rede de apoio entre mulheres. 

Texto completo:

PDF

Referências


BLEGER, J. Psico-higiene e psicologia institucional, tradução: Emília de Oliveira Diehl, Porto Alegre: Artemed, 1984.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 1991.

GUZZO, R. S. L. Risco e proteção: análise crítica de indicadores para uma intervenção preventiva na escola. In: FRANSCHINI, R; VIANA, M. N. Psicologia Escolar: que fazer é esse?,Conselho Federal de Psicologia. - Brasília: CFP, 2016.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Trad. Lígia M. Ponde Vassalo. Petrópolis: Vozes, 1987.

SINGER, P. Introdução a Economia Solidaria. 1° ed. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2002.

OLIVEIRA, F. A questão do Estado: vulnerabilidade social e carência de direitos. In: Subsídios à Conferência Nacional de Assistência Social, 1. Brasília: CNAS, out. 1995. (Cadernos ABONG)


Apontamentos

  • Não há apontamentos.