A SAÚDE MENTAL DO ACADÊMICO DE PSICOLOGIA E A PSICOTERAPIA

Marinês Michalowski, Sandra Mara Dias Pedroso

Resumo


Este estudo objetivou discutir a relação entre os acadêmicos de Psicologia e a Psicoterapia, assim como, a contribuição Psicoterapia para a preparação da prática profissional. A vida acadêmica coloca os sujeitos frente à questão da psicoterapia pessoal, estimulados pelo corpo docente que consideram a psicoterapia uma ferramenta importante para o desenvolvimento destes como futuros profissionais que trabalham com a subjetividade e sofrimento dos sujeitos. Estima-se que o profissional de psicologia precisa auto conhecer- se, bem como aprender com o seu terapeuta habilidades de ser um bom profissional. Este trabalho buscou identificar acadêmicos que fazem ou não a psicoterapia bem como investigar quais os motivos que levaram os mesmos à procurarem ou não a psicoterapia, e as dificuldades encontradas em realizá-la. Verificou-se a percepção dos acadêmicos na contribuição da psicoterapia na formação do futuro profissional, considerando-se a Psicoterapia como suporte para a preservação da saúde mental. Participaram da pesquisa 32 acadêmicos de psicologia do 5º ano de uma faculdade particular do interior do Paraná. Trata-se de uma pesquisa quali - quantitativa, realizada empiricamente, tendo como instrumento a coleta de dados um questionário fechado, elaborado especificamente para a investigação. Como resultado, conclui-se ser o fator financeiro o elemento que dificulta a realização da psicoterapia pelos acadêmicos,


Texto completo:

PDF

Referências


AGUIRRE, Ana Maria de Barros et al . A formação da atitude clínica no estagiário de

psicologia. Psicol. USP v. 11, n. 1, p. 49-62, São Paulo, 2000. Acesso em

Http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010365642000000100004&l

ng=en&nrm=iso. Acesso em: 4 nov. 2017.

ANDRADE, Antonio dos Santos et al. Vivencias acadêmicas e sofrimento Psiquico

de Estudantes de Psicologia. Psicol. Cienc. Prof. v. 36, n 4, p. 831-846, Brasilia,

Disponivel em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-

&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 03 nov. 2017.

BOLSONI-SILVA, A.T, GUERRA, B.T, O impacto da depressão para as interações

sociais de universitários, Estud. Pesqui. psicol., vol.12, n 2, p.429-452, Rio de

Janeiro, 2014.

BZUNECK, J. A. (2004). A motivação do aluno: aspectos introdutórios. In: E.

BORUCHOVITCH, E. e BZUNECK, J. A. A motivação do aluno, 3. Ed, pp. 9-36.

Petrópolis: Vozes.

CALLIGARIS, C. Cartas a um jovem terapeuta. Reflexões para psicoterapeutas,

aspirantes e curiosos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

FREUD, Sigmund, Recomendações aos médicos que exercem a psicanálise p.

-159, (1912) Vol. XII (1911-1913) editora Standard Brasileira das obras

completas de Sigmund Freud, imago ed. Rio de Janeiro, 1969.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social, 6. Ed. Atlas. São

Paulo, 2008.

IESSA, Apoio psicopedagógico e orientação integrada ao acadêmico (A.P.O.I.A)

instituição de ensino superior sant´ana. Disponível em;

Acesso em:5 nov. 2017.

KICHLER, G.F, SERRALTA, F.B. As implicações da Psicoterapia Pessoal na

Formação em Psicologia, v.45 n 1 pp.55-64 jan-mar. UVRSSL, RS, Brasil, 2014.

MEIRA, Cláudia Hyala Mansilha Grupe; NUNES, Maria Lúcia Tiellet. Psicologia

clínica, psicoterapia e o estudante de psicologia. Paidéia, 2005, vol. 15, n. 32, p.

-343. ISSN0103-863X. Disponível em:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-863X2005000300003.

Acesso em: 23 abr. 2015.

PERRIEN, J. e Alli. Recherche en Marketing: méthodes et décisions. GaetanMorin,

Canada, 1986.

PROGRESSUS, Serviço de apoio psicopedagógico (SAP),Faculdade Progressus.

Disponível em:

Acesso em: 5 nov. 2017.

QUAYLE, Julieta. Reflexões sobre a formação do psicólogo em psicoterapia: estado

da arte e desafios. Psicol. Ensino & Form., Brasília, v. 1, n. 1, p. 99-110, abr. 2010

Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2177-

&lng=pt&nrm=iso . Acesso em: 03 nov. 2017.

SILVA, B. E. D et al, A influência do trabalho no nível de estresse em estudantes de

Psicologia, CONACIS, I congresso nacional de ciências da saúde, CajazeirasPB,

à 28 de Março de 2014.

SILVA, R. S, COSTA, L. A, Prevalência de transtornos mentais comuns entre

estudantes universitários da área da saúde, Encontro: Revista de Psicologia,

V.15, N. 23, p 105-112, 2012.

SOUZA, R. M. CASTRO. Como fazer uma tabulação? Disponível em:

http://rodrigomcs.com.br.Acesso em: 26 maio 2013.

SOUZA, Márcia Michele de; TEIXEIRA, Rita Petrarca. O que é ser um “bom”

psicoterapeuta?. Aletheia, Canoas , n. 20, p. 45-54, dez. 2004 . Disponível em

&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 5 nov. 2017.

YAMAGUCHi, L. S. A Psicoterapia no tornar-se psicoterapeuta. Revista Psicologia

Argumento, XIV (XVIII), 102-104, 1996.

UNIVERSIDADE DE BRASILIA, serviço de orientação ao universitário (SOU),

Disponivel em :

Acesso em: 6 nov. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.