RAP É COMPROMISSO, NÃO É VIAGEM: A CONTRIBUIÇÃO DO RAP NO DESENVOLVIMENTO DE RESILIÊNCIA

Aline Copacheski Santos, Daniely Dias Pacheco

Resumo


O presente artigo, de caráter qualitativo, objetiva a apresentação do rap como contribuinte no desenvolvimento de resiliência em rappers brasileiros que se encontram ou já estiveram, em situação de vulnerabilidade social. Assim sendo, fez- se uso de uma pesquisa bibliográfica, a fim de apresentar a Psicologia da arte e da música; verificar a origem do rap e sua introdução no contexto brasileiro, apresentando como este se tornou uma forma de denúncia social; conceituar o processo de resiliência na Psicologia e investigar o modo pelo qual essa manifestação artística pode contribuir no desenvolvimento da resiliência. Além disso, o estudo contou com uma pesquisa documental onde os resultados, constatados através da análise do documentário O Rap pelo Rap pelo paradigma indiciário, apontaram para a utilização da autoafirmação, da conscientização dos fatores de risco e da possibilidade de comunicação dos afetos como fatores que ocasionaram a resiliência nos sujeitos apresentados na fonte em questão.

Texto completo:

PDF

Referências


BARROCO, Sonia Mari Shima; SUPERTI, Tatiane. Vigotski e o estudo da psicologia da arte: contribuições para o desenvolvimento humano. Revista Psicologia & Sociedade, v. 26, n. 1, p. 22-31, 2014.

CECCONELLO, Alessandra Marques. Introdução. In: Resiliência e vulnerabilidade em famílias em situação de risco. 2003, p. 9-54. Tese (Doutorado em Psicologia). Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

DAYRELL, Juarez. O rap e o funk na socialização da juventude. Educação e pesquisa, v. 28, n. 1, p. 117-136, 2002.

FAJARDO, Indinalva Nepomuceno; MINAYO, Maria Cecilia de Souza; MOREIRA, Carlos Otávio Fiúza. Educação escolar e resiliência: política de educação e prática docente em meios adversos. Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação, v. 18, n. 69, p. 761-774, 2010.

FÁVERO, Pedro. O Rap Pelo Rap. [Filme-Vídeo]. Direção, roteiro, produção e edição de Pedro Fávero. Fitaria Filmes, 2015. 75 min.

FERNANDES, Ana Claudia Florindo. O letramento culturalmente relevante: rumo à periferia. In: O rap e o letramento: a construção da identidade e a constituição das subjetividades dos jovens na periferia de São Paulo. 2014, p. 72-116. Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Aurélio: O Dicionário da Língua Portuguesa do Século XXI. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

GIL, Antonio Carlos. Como delinear uma pesquisa bibliográfica? In: Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010, p. 45-64.

GINZBURG, Carlo. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In: Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, p. 143-179, 1989.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. Diferentes Momentos do Processo de Pesquisa Qualitativa e suas Exigências Metodológicas. In: Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. São Paulo: Cengage Learning, 2012, p. 79-113.

KEHL, Maria Rita. Radicais, raciais, racionais: a grande fratria do rap na periferia de São Paulo. São Paulo em perspectiva, v. 13, n. 3, p. 95-106, 1999.

LEONTIEV, Alexis. Aparecimento da consciência humana. In: O desenvolvimento do psiquismo. 2. Ed. São Paulo: Centauro, 2004, p. 75-94.

MACHADO, Letícia Vier; FACCI, Marilda Gonçalves Dias; BARROCO, Sonia Mari Shima. Teoria das emoções em Vigotski. Psicologia em Estudo, v. 16, n. 4, p. 647- 657, 2011. MAHEIRIE, Kátia. Constituição do sujeito, subjetividade e identidade. Interações, v. 7, n. 13, p. 31-44, 2002.

______. Processo de criação no fazer musical: uma objetivação da subjetividade, a partir dos trabalhos de Sartre e Vygotsky. Psicologia em estudo, v. 8, n. 2, p. 147- 153, 2003.

NEVES, José Luis. Pesquisa qualitativa: características, usos e possibilidades. São Paulo: Caderno de pesquisas em administração, v. 1, n. 3, 1996.

PINHEIRO, Débora Patrícia Nemer. A Resiliência em Discussão. Psicologia em estudo, v. 9, n. 1, p. 67-75, 2004. ROCHA, Janaina; DOMENICH, Mirella; CASSEANO, Patrícia. A turma que batia latinha. In: Hip Hop: A periferia grita. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2001, p. 45-54.

SANTOS, Oswaldo de Barros. Aconselhamento psicológico e psicoterapia: autoafirmação como determinante básico do comportamento humano. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 3, n. 2, p. 81-83, 1983.

SILVA, Cláudia Yaísa Gonçalves da. Nas batidas do rap, nas entrelinhas dos versos: uma reflexão winnicottiana sobre o amadurecimento juvenil. 2016. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica). Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. SILVA, Lidiane Rodrigues Campêlo da et al. Pesquisa documental: alternativa investigativa na formação docente. In: Congresso Nacional de Educação. p. 4554- 4566, 2009.

SOUZA, Jusamara Vieira; FIALHO, Vânia Malagutti; ARALDI, Juciane. O início do Hip Hop. In: Hip Hop: da rua para a escola. 4. Ed. Porto Alegre: Editora Sulina, 2005, p. 17-21.

TAVARES, José. A resiliência na sociedade emergente. In: Resiliência e Educação. São Paulo: Cortez, 2001, p. 43-76.

VIGOTSKI, Lev Semenovitch. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

______. Psicologia da Arte. São Paulo: Martins Fontes, 1999. YUNES, Maria Angela Mattar. A questão triplamente controvertida da resiliência em famílias de baixa renda. 2001. Tese (Doutorado em Psicologia da educação). Programa de Psicologia da Educação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

______. Psicologia positiva e resiliência: o foco no indivíduo e na família. Psicologia em estudo, v. 8, n. 1, p. 80-95, 2003. YUNES, Maria Angela Mattar;

SZYMANSKI, Heloísa. Resiliência: noção, conceitos afins e considerações críticas. In: TAVARES, José (Org.). Resiliência e educação. São Paulo: Cortez, 2001, p. 13-42.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.