“CINDERELA CHEGOU AO CONSULTÓRIO!”: A PSICANÁLISE DOS CONTOS DE FADAS E QUESTÕES SOBRE A INFÂNCIA

Bárbara do Carmo Noviski Gonçalves, Sara Scheidt Soriano

Resumo


O presente trabalho possui como objetivo geral desenvolver conceitos psicanalíticos sobre a literatura dos contos de fadas. Propõe como objetivos específicos: esboçar a questão do brincar como fator estruturante para as crianças; destacar o processo de transmissão parental na formação do aparelho psíquico e examinar duas fontes literais do conto “Cinderela”. A partir de fontes bibliográficas, percorre-se um contexto histórico, verificando que o contar histórias resiste, desde o tempo das rodas em volta do fogo, como uma das formas artística culturais, anterior a instauração da escrita. A psicanálise, em sua abrangência de conceitos, contribuiu para as discussões da literatura dos contos de fadas, pois ao reconhecer a criança como um sujeito em constituição, diferente dos adultos, valoriza suas formas de expressão e do potencial criativo. Este estudo suscita discussões sobre a infância em tempos modernos, do mesmo modo que, relembra aos cuidadores das crianças, o privilégio de um narrador que acolha a criança e seus monstros. Destarte, enseja aos profissionais, da clínica psicanalítica com crianças, revistar os fundamentos éticos e teóricos, em consideração às novas especificidades clínicas.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAGÃO, Luiz Tarlei de. Quem tem medo de bicho-papão? CALLIGARIS, Contardo; et al. Educa-se uma criança? Porto Alegre: Artes e Ofícios, 1994. pp.107-120.

ARIÈS, Philippe. Pequena Contribuição à História dos Jogos e das Brincadeiras. In:______. História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos Editora S.A. 1981. pp.82-124.

BENJAMIN, Walter. História cultural do brinquedo. In:______. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 8.ed. São Paulo: Brasiliense, 2012. pp.263-266.

BENJAMIN, Walter. Livros infantis antigos e esquecidos. In:______. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 8.ed. São Paulo: Brasiliense, 2012. pp.254-262.

BERGÈS, Jean. Bilingüismo e recalcamento. In: VORCARO, Angela (Org.). Quem fala na língua? Sobre as psicopatologias da fala. Salvador: Ágalma, 2004. pp.175-179.

BETTELHEIM, Bruno. A psicanálise dos contos de fadas. São Paulo: Paz e Terra, 2014. 466p.

BERNARDINO, Leda Mariza Fischer. O desejo do psicanalista e a criança. In:_____ (Org.) Psicanalisar crianças: que desejo é esse? Salvador: Àgalma: 2004. pp.57-70.

BERNARDINO, Leda Mariza Fischer. Psicanalisar... crianças, que desejo é este? In: Congresso Internacional de Psicanálise e suas Conexões. Trata-se uma criança. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 1999. pp.64-73.

BOAVENTURA, Edivaldo. Como ordenar as ideias. São Paulo: Editora Ática, 2001. 59p.

BRANDÃO, Régius. O mito é a mensagem. CALLIGARIS, Contardo; et al. Educa-se uma criança? Porto Alegre: Artes e Ofícios, 1994. pp.185-191.

BREDAN, Bia. A arte de cantar e contar histórias: narrativas orais e processos criativos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012. 208p. 34

CALCANHOTO, Adriana. Saiba. Adriana Partimpim. Rio de Janeiro, BGM, 2004. Faixa 10.

CATÃO, Inês. Da primeira experiência de satisfação: a inscrição das primeiras marcas mnêmicas e o recalque originário. In:______. O bebê nasce pela boca: voz, sujeito e clínica do autismo. São Paulo: Instituto Langage, 2009. pp.51-67.

COELHO, Nelly Novaes. O conto de fadas: símbolos mitos arquétipos, 4ed. São Paulo: Paulinas, 2012. 159p.

CORSO, Diana Lichtenstein. CORSO, Mario. Fadas no divã: psicanálise nas histórias infantis. Porto Alegre: Artmed, 2006. 328p. CORSO, Diana Lichtenstein. Um conto de fadas intimista e bem-humorado. In:______. A Psicanálise na Terra do Nunca: ensaios sobre a fantasia. Porto Alegre: Penso, 2011. pp.167-168.

FRASER, Márcia Tourinho Dantas; GONDIM, Sônia Maria Guedes. Da fala do outro ao texto negociado: discussões sobre a entrevista na pesquisa qualitativa. Paidéia (Ribeirão Preto), Ribeirão Preto, v.14, n.28, Ago 2004. pp.39-152. Disponível em:. Acesso em 16 Abr 2017.

FREUD, Sigmund (1900). A psicologia dos processos oníricos. In:______. Obras psicológicas completas de Sigmund Freud: edição standard brasileira. Rio de Janeiro: Imago, 1987, pp.468-561.

FREUD, Sigmund (1920). Além do princípio do prazer. In:______. Obras completas, volume 14: História de uma neurose infantil (“O homem dos lobos”), além do princípio do prazer e outros textos (1917-1920). São Paulo: Companhia das Letras, 2010, pp.161-239.

FREUD, Sigmund (1896). Carta 52. I In:______. Obras psicológicas completas de Sigmund Freud: edição standard brasileira. Rio de Janeiro: Imago, 1987, pp.281-287.

FREUD, Sigmund (1914). Introdução ao narcisismo. In:______. Obras completas, volume 12: Introdução ao narcisismo: ensaios de metapsicologia e outros textos. São Paulo Companhia das Letras, 2010. pp.13-50. 35

FREUD, Sigmund (1923). O eu e o id. In:______. Obras completas, volume 16: O eu e o id, “autobiografia” e outros textos. São Paulo Companhia das Letras, 2011. pp.13-74.

FREUD, Sigmund (1908). O escritor e a fantasia. In:______. Obras completas, volume 8: O delírio e os sonhos na Grádiva, Análise da fobia de um garoto de cinco anos e outros textos (1906-1909). São Paulo: Companhia das Letras, 2015, pp.325-338.

FREUD, Sigmund (1913). Sonhos como material de contos de fadas. In:______. Obras completas, volume 10: Observações psicanalíticas sobre um caso de paranoia relatado em autobiografia: (“O caso Schreber”): artigos sobre técnica e outros textos (1911-1913). São Paulo: Companhia das Letras, 2010, pp.291-300.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GOLSE, Bernard. Sobre a psicoterapia pais-bebê: narratividade, filiação e transmissão. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003. 165p.

GUTFREIND, Celso. Narrar, ser mãe, ser pai & outros ensaios sobre a parentalidade. Rio de Janeiro: DIFEL, 2010. 256p.

GUTFREIND, Celso. Uma hipótese e muita arte a propósito de João e Maria. In:______. A infância através do espelho: a criança no adulto, a literatura na psicanálise. Porto Alegre: Artmed, 2014. pp.47-50.

GRIMM, Jacob. GRIMM, Wilhelm. Cinderela: A Gata Borralheira. Porto Alegre: Kuarup, 1992, 32p.

JERUSALINSKY, Alfredo. A educação é terapêutica? Sobre os três jogos constituintes do sujeito (Parte I). In:______ (Org.) Psicanálise e desenvolvimento infantil: um enfoque transdisciplinar. Porto Alegre: Artes e Ofícios, 2004. pp.155-160.

JERUSALINSKY, Alfredo. Como se constituem as bordas do ponto de vista da Linguagem. In: VORCARO, Angela. Quem fala na língua? Sobre as psicopatologias da fala. Salvador: Ágalma, 2004. pp.107-119. 36

JERUSALINSKY, Julieta. Prosódia e enunciação na clínica com bebês: quando a entoação diz mais do que se queria dizer. In: VORCARO, Angela. Quem fala na língua? Sobre as psicopatologias da fala. Salvador: Ágalma, 2004. pp. 206- 228.

JERUSALINSKY, Julieta. Que rede nos sustenta no balanço da web? – o sujeito na era das relações virtuais. In: BAPTISTA, Angela. JERUSALINSKY, Julieta. Intoxicações eletrônicas: o suejtio da era das relações virtuais. Salvador: Àgalma: 2017. pp.13-38.

LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

LEVIN, Esteban. Rumo a uma infância virtual?: a imagem corporal sem corpo. Petrópolis: Vozes, 2007. 174p.

LIMA, Telma Cristiane Sasso de; MIOTO, Regina Célia Tamaso. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Rev. katálysis, Florianópolis, v.10, 2007. pp.37-45. Disponível em: . Acesso em 16 Abr 2017.

MARIOTTO, Rosa Maria Marini. Comentários sobre as crianças, suas famílias e seus sintomas. In: KUPFER, Maria Cristina Machado. BERNARDINO, Leda Marisa Fischer. MARIOTTO, Rosa Maria Marini. Psicanálise e ações de prevenção na primeira infância. São Paulo: Escuta/Fapesp, 2012. pp.61-69.

PAVONE, Sandra. O brincar e suas vicissitudes. In: VORCARO, Angela (Org.). Quem fala na língua? Sobre as psicopatologias da fala. Salvador: Ágalma, 2004. pp. 206-228.

PERRAULT, Charles. Cinderela. São Paulo: Rideel, 1996. 24p. RABINOVICH, Diana S. O desejo do analista: liberdade e determinação em psicanálise. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2000. 159p.

ROWLING, Joane K. Harry Potter e a Pedra Filosofal. Rio de Janeiro: Rocco, 2000. 223p. SOLIS-PONTON, Letícia. In:______. Ser pai, ser mãe: parentalidade: um desafio para o terceiro milênio. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004. 37

TEIXEIRA, Marcos do Rio. Monstros & CIA: a gênese do medo na literatura de horror e nos contos de fadas. In: MENGARELLI, Jandyra Kondera. Dos contos em cantos. Salvador: Álgama, 1998. pp.15-31.

WINNICOTT, Donald Woods. A criatividade e suas origens: a ideia de criatividade. In:______. O Brincar & a Realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975. pp.95-120.

WINNICOTT, Donald Woods. Objetos transicionais e fenômenos transicionais. In:______. O Brincar & a Realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975. pp.13-44.

WINNICOTT, Donald Woods. O brincar: Uma Exposição Teórica. In:______. O Brincar & a Realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975. pp.59-77.

ZANOTELLI, Maria Luiza. A escuta do brincar na clínica. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE PSICANÁLISE E SUAS CONEXÕES. Trata-se uma criança. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 1999, pp.345-348.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.