QUAIS CARACTERÍSTICAS DE IDENTIDADE A GERAÇÃO Y VÊM CONSTRUINDO?

Jussara Doretto Benetti do Prado, Daniely Dias Pacheco

Resumo


O presente escrito tem por objetivos investigar e descrever as expectativas da juventude atual em relação ao seu futuro pessoal e profissional, para tanto, buscou- se compreender a identidade da Geração Y. O estudo foi realizado através de uma pesquisa bibliográfica, dando preferência aos conteúdos elaborados nos últimos cinco anos. Sabe-se que uma das características das novas gerações é a manifestação de um modus vivendi diferenciado daquele apresentado por gerações anteriores, portanto, traçou-se como objetivos específicos definir o conceito de geração e as gerações existentes após a 2ª Guerra Mundial, contextualizar o cenário histórico destas, compreender as razões dessas mudanças comportamentais entre as gerações e desvendar a identidade da Geração Y. Indivíduos nascidos em uma mesma época e que vivenciam as mesmas mudanças se tornam uma geração; cada uma possui suas próprias características, devido à cultura de sua época e aos acontecimentos experienciados. Foi possível perceber que a Geração Y é uma geração voltada ao próprio prazer, que vivencia sofrimentos e frustrações ao mesmo tempo em que busca evitar incessantemente tais sentimentos, devido ao simples fato de não conseguirem lidar com tal gama de emoções. Mas além disso, a Geração Y é uma das primeiras gerações que se preocupam com a saúde mental, a importância do seu próprio psicológico no desenvolvimento de sua vida pessoal e profissional.


Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, R. De Vargas a Lula: caminhos e descaminhos da legislação trabalhista no Brasil. Revista Pegada, São Paulo, v. 7, n. 2, p. 83-88, 2006. Disponível em: Acesso em: 08 abr. 2017.

BECHARA, E. Dicionário da Língua Portuguesa Evanildo Bechara. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2011.

BENEDICT, R. Padrões de cultura. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

BOULOS JÚNIOR, A. História: sociedade & cidadania. 1. ed. Coleção História, Sociedade & Cidadania. São Paulo: FTD, 2003.

CALLIARI, M.; MOTTA, A. Código Y: decifrando a geração que está mudando o país. São Paulo: Évora, 2012. DICIONÁRIO DO AURÉLIO ONLINE. Dicionário português. 2017. Disponível em: Acesso em: 24 fev. 2017.

FALASTER, C. D.; FERREIRA, M. A. S. P. V.; REIS, C. Atributos que atraem a Geração Y na escola do emprego ideal: uma análise a partir da perspectiva de estudantes veteranos. In: XXXVIII Encontro da ANPAD. Anais eletrônicos. Rio de Janeiro – RJ, 2014. Disponível em: Acesso em: 25 mar. 2017.

FAUSTO, B. História concisa do Brasil. São Paulo: Edusp/Imprensa Oficial do Estado, 2001.

FEIXA, C.; LECCARDI, C. O conceito de geração nas teorias sobre juventude. Revista Sociedade e Estado, v. 25, n. 2, p. 185-204, mai./ago. 2010. Disponível em: Acesso em: 24 fev. 2017.

FERREIRA, G. L. S. O paradoxo do controle nas redes sociais online. Universidade de Brasília, 2013. Disponível em: Acesso em: 10 mar. 2017.

FREUD, S. 1856-1939. Obras Psicológicas completas de Sigmund Freud: edição standard brasileira. Sobre o narcisismo: uma introdução (1914). Rio de Janeiro: Imago, 1996.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1991.

IPEA. A rotatividade dos jovens no mercado de trabalho formal brasileiro. In: Mercado de Trabalho: Conjuntura e Análise, v. 1, p. 23-30, 2013. Disponível em: Acesso em 03 mar. 2017.

KAMERS, M.; MARIOTTO, R. M. M.; VOLTOLINI, R. Por uma (nova) psicopatologia da infância e da adolescência. Psicopatologia dos transtornos de comportamento. p. 267-288. São Paulo: Escuta, 2015.

LADEIRA, L.; COSTA, D.; COSTA, M. O conflito de gerações e o impacto no ambiente de trabalho. In: IV Congresso Nacional de Excelência em Gestão, São Paulo, p. 1-19, 2013. Disponível em: Acesso em 03 mar. 2017.

LARAIA, R. B. Cultura: um conceito antropológico. 22. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.

LEVENFUS, R. S. org. Orientação vocacional e de carreira em contextos clínicos e educativos. Ser adolescente no século XXI. pp. 13-23. Porto Alegre: Artmed, 2016.

MANNHEIM, K. The Sociological problema of generations. In: Essays on the sociology of knowledge. P. 286-312. Londres, Routledge & Kegan Paul. 1952. ______. Das problem der generationen. Kölner Vierteljahreshefe für Soziologie 7. S. 157-185, 309-330. 1928. Disponível em: Acesso em: 03 mar. 2017.

MARCHETTI, C. B. Uma análise sobre a teoria das gerações. Revista InterAtividade, v. 1, n. 2. Andradina, 2013. Disponível em: Acesso em 24 fev. 2017.

MARTINEZ, A. L. M. O divã no dia a dia: crônicas do cotidiano sob o olhar da psicanálise. Ribeirão Preto, SP: IEALD, 2013.

MEYER, M. Quais as diferenças entre as gerações X, Y e Z e como administrar os conflitos? Disponível em: Acesso em: 08 abr. 2017.

NAPOLITANO, M. 1964: história do regime militar brasileiro. São Paulo: Contexto, 2014.

NERI, J. H. P. Mídias sociais em escolas: uso do whatsapp como ferramenta pedagógica no ensino médio. Estação Científica – Juiz de Fora, n. 14, jul./dez. 2015. Disponível em: Acesso em 03 mar. 2017.

O BRASIL deu certo. E agora? Direção de Louise Sottomaior. Idealizado por Maílson da Nóbrega. Brasil: Cultura Maior. 2013. DVD (70 min). Disponível em: Acesso em: 04 abr. 2017

RUIZ, J. A. Metodologia científica: guia para eficiência nos estudos. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

SANTOS, C. G. et al. Proposta de checklist para verificação de acessibilidade em buscadores web. In: XVI Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. Anais eletrônicos. João Pessoa – PB, 2015. Disponível em: Acesso em: 10 mar. 2017.

SOUZA COSTA, A. C. et al. Comunicação instantânea. In: Jornada Acadêmica da UEG campus Santa Helena de Goiás, v. 5, n. 1. Anais eletrônicos. 2011. Disponível em: Acesso em 10 mar 2017.

URBAN, T. Why Generation Y Yuppies are Unhappy. Wait But Why. Set. 2003. Disponível em: Acesso em 25 mar. 2017.

VYGOTSKY, L. S. 1896-1934. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

WELLER, W. A atualidade do conceito de gerações de Karl Mannheim. Revista Sociedade e Estado, v. 25, n. 2, mai./ago. Brasília, 2010. Disponível em: Acesso em: 24 fev. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.