O ESTRESSE E OS SINTOMAS ASSOCIADOS AO TRABALHO EM COLABORADORES DE UMA EMPRESA MULTINACIONAL DA CIDADE DE PONTA GROSSA-PARANÁ

Gesleine Rosa Santos, Jessica Daiane Choinacki, Simone Eurich, Kelly de Lara Soczek

Resumo


A presente pesquisa tem como objetivo geral compreender o estresse e o estresse organizacional no trabalho. Destacando a área organizacional e o estresse neste ambiente, buscou-se mais estudos acerca do tema. Como objetivos específicos propõe-se identificar e analisar os níveis de estresse nos participantes e, os fatores intrínsecos e extrínsecos envolvidos nessa dinâmica e categorizar seus sintomas associados aos desgastes. A pesquisa foi desenvolvida em uma empresa Multinacional da cidade de Ponta Grossa-Paraná. A seleção dos sujeitos participantes se deu a partir do levantamento dos atestados médicos recebidos no período de Junho a Dezembro do ano de 2016, em que constassem o CID relacionado ao estresse ou fatores associados. Como instrumento de coleta de dados, foi utilizada a Escala de Estresse no Trabalho (EET) e um questionário adaptado pelas pesquisadoras. A amostra constitui-se de um total de 17 colaboradores/participantes que responderam a (EET) assim, como também o questionário. As análises dos dados serão apresentadas em forma de quadros, tabelas e gráfico. Como resultado da pesquisa foi possível compreender que o estresse está relacionado aos fatores organizacionais, sendo que o escore 3,23 foi encontrado no fator “Clima Organizacional”. A partir dos dados obtidos notou-se que há uma falha na organização quanto às condições de trabalho, o que acarreta a insatisfação e desmotivação dos colaboradores. Por fim, foi possível identificar a importância do papel do psicólogo organizacional dentro das instituições, sejam elas: empresas, escolas, hospitais, entre outros.

Texto completo:

PDF

Referências


BIANCHI, E. R. F. Conceito de stress: evolução histórica. Nursing, 39 (4), 16- 19, 2001.

BENKE, M.R.P.; CARVALHO, E. Estresse x Qualidade De Vida Nas Organizações: Um Estudo Teórico. FESURV - Universidade do Rio Verde: Goiás, 2012.

BLEGER, J. Psico-Higiene e Psicologia institucional. Porto Alegre: Artes Médicas, 1984.

BRASIL. Doenças relacionadas ao trabalho. Manual de procedimentos para os serviços de saúde. Ministério da Saúde do Brasil. Série A. Normas e manuais técnicos, 114, Brasília, 2012. Disponível em: Acesso em: 11 julho 2017. BERNAL, O. A. Psicologia do trabalho em um mundo globalizado, integrando teoria e prática. Porto Alegre: Artmed, 2010.

BORGO K. I. Estresse em trabalhadores: causas que desencadeiam problemas de saúde relacionados ao estresse em colaboradores de uma empresa do ramo de transportes na cidade de ponta grossa. Ponta Grossa, 2015.

BRANDÃO, C. R. Pesquisa Participante: Repensando a pesquisa participante. 4ª Edição. São Paulo: Brasiliense, 1984.

CAIAFFO, G. A. Estresse ocupacional: estudo realizado junto aos funcionários da Sudema. Trabalho de Conclusão de Estágio (Administração de Recursos Humanos) – Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Serviço de Estágio Supervisionado Em administração, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2003. Disponível em: Acesso em: 29 setembro 2017.

CHIAVENATO, I. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. 3 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

DEJOURS, C. A loucura do trabalho: Estudo de psicopatologia do trabalho. (A. I. Paraguay e L. L. Ferreira, trad.; 5ª ed.). São Paulo: Cortez Oboré,1992.

DEJOURS, C.; Subjetividade, trabalho e ação. Revista Produção, n14, SetDez, 2004. DE ALMEIDA, D. M. et al. Estresse ocupacional na perspectiva dos bombeiros da cidade de Santa Maria/RS. Revista de Carreiras e Pessoas (ReCaPe). ISSN 2237-1427, v. 5, n. 1, 2015.

DUTRA E. Considerações sobre as significações da Psicologia clínica na contemporaneidade. Estudos de Psicologia, 9 (2), 381-387, 2004. 30 FRANÇA, A. C. L.; RODRIGUES, L. A. Stress e trabalho: uma abordagem psicossomática. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6 ed. São Paulo: Atlas S.A, 2008.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas S.A, 2002.

GONDIM, S.M.G; SILVA, N. Motivação no Trabalho. In J.C. Zanelli, J.E. Borges Andrade & A.V.B. Bastos. (Org.). Psicologia, Organizações e Trabalho no Brasil. (pp. 145-176). Porto Alegre: Artmed, 2004.

GUIDO, L. A. Stress e coping entre enfermeiros de centro cirúrgico e recuperação anestésica. Tese de Doutorado em Enfermagem, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

JACQUES, M. G; CODO, W. Saúde mental & trabalho: Leituras (pp. 50-81). Petrópolis, Vozes, 2007.

PINOTTI, S. A. G. Stress no professor: fontes, sintomas e estratégias de controle. Revista ReBraM, v. 9, n. 2, p. 207-216, 2015.

LADEIRA, M. B. O processo do stress ocupacional e a psicopatologia do trabalho. Revista de Administração, São Paulo, v. 31, n. 1, p.64-74, janeiro/março 1996. Disponível em:< http://www.rausp.usp.br/busca/artigo.asp?num_artigo=151>. Acesso em: 28 setembro 2017.

LIPP, M; MALAGRIS L. N. O Stress Emocional e seu Tratamento. In RANGE, B. (Org). Psicoterapias Cognitivo-comportamentais: um diálogo com a psiquiatria. Artes Medicas. São Paulo: 2001.

LIPP, M. E. N. O modelo quadrifásico do stress. In M. E. N. Lipp (Org.), Mecanismos neuropsicofisiológicos do stress: teoria e aplicações clínicas (pp.17-21). São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003. Disponível em: Acesso em: 12 Julho 2017.

LIPP, M.E.N; TRICOLI, V. et al. Relacionamentos Interpessoais no século XXI e o stress emocional. Novo Amburgo: Sinopsys, 2014.

__________, M. E. N., & Malagris, L. E. N. (2001). O stress emocional e seu tratamento. In B. __________, M.E.N. (Org.). Como Enfrentar o Stress. 5. ed. São Paulo: Ícone,1998.

__________, M. E. N. Pesquisas sobre stress no Brasil – Saúde, ocupações e grupos de risco. Campinas: Papirus, 1996.

__________, M. E. N. O Stress está Dentro de Você. 7 ed. São Paulo: Contexto, 2011. (p. 14). 31

MARTINS, L. M. M. et al.; Agentes estressores no trabalho e sugestões para amenizá-los: opiniões de enfermeiros de pós-graduação. Rev.Esc.Enf.USP, v. 34, n. 1, p. 52-8, mar. 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v34n1/ v34n1a07. Acesso em: 18 Maio 2017.

MENKES, C. As relações entre habilidades sociais e estresse ocupacional em submarinistas na Marinha do Brasil (Dissertação de Mestrado). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012. Disponível em . Acesso em: 13 Julho 2017.

MUCHINSKY, P. M. Psicologia Organizacional. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004. NUNES, R. V; BARROS, T. H; LIRIO, I. D. A. Contribuições da psicologia para o desenvolvimento de pessoas e organizações. V Fórum de Práticas em Psicologia: FAP, 2013.

OIT – Organização Internacional do Trabalho. Doenças profissionais são principais causas de mortes no trabalho. Disponível em: Acesso em 02 outubro 2017.

PEREZ GIBERT, MARIA AGNES; CURY, VERA ENGLER. Saúde mental e trabalho: Um estudo fenomenológico com psicólogos organizacionais. Bol. psicol, São Paulo , v. 59, n. 130, p. 45-60, jun. 2009 . Disponível em: . Acessos em: 17 julho 2017.

PASCHOAL, T.; TAMAYO, A. Validação da escala de estresse no trabalho. Estudos de psicologia. 9 (1), 45-52, 2004.

RODRIGUES, A. Stress, trabalho e doenças de adaptação. São Paulo: Atlas, 1997. SADIR, M.A.; LIPP, M.E.N. As fontes de stress no trabalho. Revista de Psicologia da IMED, vol.1, n.1, p. 114-126, 2009. Disponível em: Acesso em: 13 Julho 2017.

SADIR, M. A.; BIGNOTTO, M. M.; LIPP, M. E. N. Stress e qualidade de vida: influência de algumas variáveis pessoais. Paidéia (Ribeirão Preto), Ribeirão Preto, v. 20, n. 45, p. 73-81, 2010. Disponível em . Acesso em: 13 Julho 2017.

SATO, L. Psicologia, saúde e trabalho: Distintas construções dos objetos trabalho e organizações. In: Z. A. Trindade & A. N. Andrade (Org.), Psicologia e saúde: Um campo em construção. (pp. 167-178). São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003. 32 SPECTOR, P. E. Psicologia nas Organizações. 3 ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

SATO, LENY; SCHMIDT, M. L. S. Psicologia do trabalho e psicologia clínica: um ensaio de articulação focalizando o desemprego. Estudos de psicologia, v. 9, n. 2, p. 365-371, 2004.

SALES, M.A.S.; A pesquisa e suas classificações. São Luís, 2013. SARDÁ JR., J. J.; LEGAL, E. J.; JABLONSKI JR, S. J. Estresse: conceitos, métodos, medidas e possibilidades de intervenção. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004. SELYE, HANS. Stress a tensão da vida. IBRASA, 1959.

SOUSA, A. F.; Estresse ocupacional em motoristas de ônibus urbano: o papel das estratégias de coping. 2005. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de Psicologia, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2005. Disponível em: http://www.pospsi.ufba.br/ Aldineia_Sousa.pdf. Acesso em: 12 Julho 2017.

TAMAYO, ÁLVARO. Valores organizacionais. In: A. Tamayo, J.E. AndradeBorges & W. Codo (Org.). Trabalho, organizações e cultura, (pp.175-193). São Paulo: Cooperativa de Autores Associados, 1997. TAMAYO, Á.; PASCHOAL T. Validação da Escala de Estresse no Trabalho. Estudos da Psicologia, Natal v.9, n. 1, p. 45-52, Jan. – abr. 2004. Disponível em: Acesso em 20 Maio 2017.

TALARICO, J. N. S. Estresse, concentração de cortisol e estratégias de coping no desempenho da memória de idosos saudáveis, com comprometimento cognitivo leve e doença de alzheimer. Tese de Doutorado em Enfermagem, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009. Disponível em: Acesso em: 30 Agosto 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.