A Termoterapia Associada ao Tubo de Ressonância Flexível na Clínica de Voz: Um Estudo de Caso

Angelita Staveski, Tatiane da Silva Vieira

Resumo


Trata-se de um estudo que visa observar a eficiência do uso da hipertermoterapia associada ao exercício de trato vocal semi-ocluído na terapia de voz para reduzir o tempo de tratamento ao paciente comparado a métodos tradicionais. Para tanto foi realizado um estudo de caso com um cantor com diagnóstico de disfonia organofuncional, sendo esta por edema de Reinke e cisto intracordal à direita. Foram realizadas 12 sessões de fonoterapia associando exercícios de trato vocal semi-ocluído com hipertermoterapia. Chegaram-se com isso a melhora na qualidade vocal, TMF e relação S/Z, além de todos os parâmetros avaliados na escala GRBASI. Chegando-se a conclusão de que a associação dos métodos é eficaz e reduz o tempo de terapia fonoaudiológica, em relação aos métodos convencionais.


Texto completo:

PDF

Referências


BEHLAU, M. et al. Voz profissional: aspectos gerais e atuação fonoaudiológica. In: BEHLAU, M. Voz o livro do especialista Vol II. Rio de Janeiro: Revinter, 2005.

CIELO, C.A., FINGER, L.S., ROSA, J.C., BRANCALIONI, A.R., Lesões Organofuncionais do Tipo Nódulos, Pólipos e Edema de Reinke. 2010. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rcefac/2011nahead/129-10.pdf > Acesso em 03 de junho de 2017.

CIELO, C.A.; LIMA, J.P.M.; CHRISTMANN, M.K.; BRUM, R.; Exercícios De Trato Vocal Semiocluído: Revisão De Literatura. Rev. CEFAC, São Paulo, 2012. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/rcefac/2013nahead/22-12.pdf > Acesso dia 03 de outubro de 2017.

CIELO, C.A; CONTERNO, G.; CARVALHO, C.D.M.; FINGER, L.S. Disfonias: Relação S/Z e Tipos de Voz. Rev. CEFAC, São Paulo, 2008. Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-18462008000400014 > Acesso dia 19 de outubro de 2017.

ECKLEY, C. A.; DUPRAT, A.C.; Distúrbios da voz. In: DOLCI, J.E.L., SILVA, L., Otorrinolaringologia- Guia Prático. São Paulo: Atheneu, 2012, p 421- 422.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisas. São Paulo: Atlas, 2002.

PIMENTA, J., O Quente e o Frio da Voz. 1ªEd. São Paulo: INC Editora, 2016, p 33-62, 185-190.

ROJAS, G.V.E; et al. O Fonoaudiólogo na Formação de Cantores. In: FERREIRA, L.P., SILVA, M.A.A., GIANNINI, S.P.P., Distúrbio de Voz Relacionado ao Trabalho: Práticas Fonoaudiológicas. 1ª Ed. São Paulo: roca, 2015.

SILVA, F.F., MORETI, F., OLIVEIRA, G., BEHLAU, M.; Efeitos da Reabilitação Fonoaudiológica na Desvantagem Vocal de Cantores Populares Profissionais. Audiol. Commun.Res. vol 19 nº2 São Paulo. 2014. Disponível em: Acesso 09 de agosto 2017.

SILVA, M.A.A; Caracterização de um grupo de cantores da noite: Um enfoque fonoaudiológico. In: FERREIRA, L.P., Dissertando sobre voz. Vol.2. Carapicuiba: Pró-Fono, 1998, p 36.

TEIXEIRA, V.L; PAULINO, R.L; BEHLAU M.; Avaliação da configuração laríngea em indivíduos portadores de edema de Reinke. In: BEHLAU M., A Voz do Especialista. Vol.II. Rio de Janeiro: Revinter, 2001, p 173- 180.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.