Disfonia infantil: uma revisão integrativa sobre promoção e prevenção

Alessandra Larissa Seixas Rankel, Hellen Francine Flugel, Tatiane da Silva Vieira

Resumo


O objetivo do trabalho foi analisar a relação entre a disfonia infantil e as formas de promoção da saúde vocal dessas crianças. Trata-se de uma revisão integrativa, com publicações coletadas no banco de dados: Scientific Electronic Library Online (SciELO); Google Scholar e Literatura Latino Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), resultando em 17 publicações para a amostra. Os estudos apontaram que a disfonia infantil é uma alteração vocal encontrada principalmente em crianças de idade escolar. O nódulo vocal foi a alteração mais encontrada. A presença da disfonia deve-se ao tipo de comportamento e personalidade da criança, não tendo relação com o sexo. Além disso, a terapia fonoaudiológica em grupo têm sido eficaz no tratamento das disfonias infantis. Para tanto, é necessário que se observe o comportamento vocal abusivo de pais e professores, pela influência no comportamento vocal de crianças. Notou-se que as estratégias de promoção e prevenção da disfonia infantil são escassas e se faz necessário mais estudos que tragam programas de promoção e prevenção da disfonia infantil.

Texto completo:

PDF

Referências


ARNAUT, M. A.; ÁVILA, C. R. B. Ensurdecimento de fonemas plosivos na fala de crianças disfônicas. Rev Soc Bras Fonoaudiol, São Paulo, 37-44, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 set 2017.

BEHLAU, M. O livro do especialista. Vol. II. Rio de Janeiro: Revinter, 2008.

BEHLAU, M.; MADAZIO, G.; PONTES, P. Disfonias organofuncionais. In: BEHLAU, M. Voz – O livro do especialista. Vol. I. Rio de Janeiro: Revinter, 2001. Cap. 5, p. 295-341.

BENINCA, K. R. Respiração oral e disfonia infantil, existe relação? 2016, 46 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Fonoaudiologia) - Faculdade Sant’Ana, Ponta Grossa, 2016. Disponível em: . Acesso em: 29 ago 2017.

BORDIN, S. C.; SHEILA, I. B. O. Livros infantis: material motivador para crianças disfônicas em processo terapêutico. PUC – CAMPINAS, 2011. Disponível em: . Acesso em: 16 ago 2017.

DADALTO, E. V. et al. Levantamento da prevalência de distúrbios da comunicação em escolares do ensino público fundamental da cidade de Vila Velha – ES. Rev. CEFAC. v. 14, n. 6, p. 1115-1121, nov-dez. 2012. Disponível em: . Acesso em: 29 ago 2017.

DIAS, M. R.; OLIVEIRA, A. M. R.; BASTOS, A. C. M. M. Da garganta vem a voz: um projeto de educação para a saúde. Rev. Distúrbios Comun. São Paulo, 27(1):182-191, março, 2015. Disponível em: . Acesso em: 29 ago 2017.

FERREIRA, A. C. A. Necessidade fonoaudiológicas de escolares no ensino público. 2016, 24f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Fonoaudiologia) – Faculdade São Lucas, Porto Velho, 2016. Disponível em: . Acesso em: 29 ago 2017.

GINDRI, G; CIELO, C. A.; FINGER, L. Disfonia por nódulos vocais na infância. Salusvita, Bauru, v. 27, n. 1, p. 91-110, 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 set 2017.

GUERRA, A. S. H. S. et. al. Comportamento vocal de crianças em centro de educação infantil. Universidade Federal de Pernambuco. Revista Distúrbios da Comunicação, São Paulo, 2014. Disponível em: . Acesso em: 29 ago 2017.

LEITE, A. P. D.; PANHOCA, I.; ZANOLLI, M. L. Distúrbios de voz em crianças: o grupo como possibilidade de intervenção. Distúrb Comun, São Paulo, 339-347, 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 set 2017.

LOPES, L. W. et. al. Análise acústica de vozes infantis: Contribuições do diagrama de desvio fonatório. Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Paraíba, Brasil. Rev. CEFAC. 2015. Disponível em: . Acesso em: 23 ago 2017.

MAIA, A. A. et. al. Características comportamentais de crianças disfônicas: revisão integrativa da literatura. Revista Fonoaudiologia baseada em Evidências, 2014. Disponível em: . Acesso em: 29 ago 2017.

MAIA, A. A.; GAMA, A. C. C.; MICHALICK-TRIGINELLI, M. F. Relação entre transtorno do déficit de atenção/hiperatividade, dinâmica familiar, disfonia e nódulo vocal em crianças. Rev. Ciênc. Méd., Campinas, 379-389, set./out., 2006. Disponível em: . Acesso em: 15 set 2017.

MARTINS, R. H. G. TRINDADE, S. H. K. A criança disfônica: Diagnóstico, tratamento e evolução clínica. Revista Brasileira de Otorrinolaringologista, v.69, n.6, 2003. Disponível em: . Acesso em: 29 ago 2017.

MENDES, K.D.S.; SILVEIRA R.C.C.P.; GALVÃO C.M. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enfermagem. v. 17, n. 4,p. 758-764, 2008.

MELO, E. C. M. de. et. al. Disfonia infantil: aspectos epidemiológicos. Revista Brasileira de Otorrinolaringologista. V.67, n.6, 2001. Disponível em: . Acesso em: 29 ago 2017.

MÜLLER, A. P. P. S. Alterações vocais no aluno – Relato de caso em uma escola de educação infantil. In: RIBAS, A.; PAZINI, S. Fonoaudiologia e educação: uma parceria necessária. Curitiba: UTP, 2010. Disponível em: . Acesso em: 29 ago 2017.

OLIVEIRA, R.C. TEIXEIRA, L. C. Correlação entre a avaliação acústica e perceptivo-auditiva das vozes de crianças de 6 a 10 anos de idade do centro pedagógico da ufmg e a autopercepção das crianças sobre suas vozes. 2009, 80 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Fonoaudiologia) – Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de Medicina. Curso de Fonoaudiologia. Belo Horizonte, 2009. Disponível em: . Acesso em: 27 ago 2017.

OLIVEIRA, R. C. et. al. Análise perceptivo-auditivo, acústica e autopercepção vocal em crianças. Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG – Belo Horizonte (MG), Brasil, 2011. Disponível em: . Acesso em: 27 ago 2017.

PAIXÃO, C. L. B. et al. Disfonia infantil: hábitos prejudiciais à voz dos pais interferem na saúde vocal de seus filhos? Rev. CEFAC, 705-713, jul./ago., 2012. Disponível em: . Acesso em: 15 set 2017.

PAIXÃO, C. L. B. et al. Há concordância entre pais e filhos quanto a seus comportamentos vocais? Disturb Comum, São Paulo, 750-759, dezembro, 2015. Disponível em: . Acesso em: 15 set 2017.

PENTEADO, R. Z. et al. Vivência de voz com crianças: análise do processo educativo em saúde vocal. Rev. Distúrbios da Comunicação, São Paulo, 19(2): 237-246, agosto, 2007. Disponível em: . Acesso em: 26 ago 2017.

RIBEIRO, V. V. et. al. Avaliação vocal de crianças disfônicas pré e pós intervenção fonoaudiológica em grupo: Estudo de Caso. Rev. CEFAC. 2013. Disponível em: . Acesso em: 26 ago 2017.

SADER, R. C. M. HANAYAMA, E. M. Considerações teóricas sobre a abordagem acústica da voz infantil. Rev. CEFAC, São Paulo, v.6, n.3, 2004. Disponível em: . Acesso em: 26 ago 2017.

SILVA, M. et al. Habilidades sociais em crianças disfônicas. Rev Soc Bras Fonoaudiol, Irati, 361-367, 2012. Disponível em: . Acesso em: 15 set 2017.

SOUZA, L.B.R. Atuação fonoaudiológica em voz. Rio de Janeiro: Revinter, 2010.

SOUZA, B. O. NUNES, R. B. FRICHE, A. A. de L. GAMA, A. C. C. Análise da qualidade de vida relacionada à voz na população infantil. Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG – Belo Horizonte (MG), Brasil, 2016. Disponível em: . Acesso em: 22 ago 2017.

STADLER, S. T. et. al. Autopercepção vocal de crianças disfônicas: o desenho como ferramenta de análise. Distúrbios Comun. São Paulo, setembro, 2015. Disponível em: < https://revistas.pucsp.br/index.php/dic/article/view/20942/17724> . Acesso em: 15 set 2017.

TAKESHITA, T. K. et. al. Comportamento vocal de crianças em idade pré-escolar. Arq. Int. Otorrinolaringo./Intl. Arch. Otorhinolaryngol., São Paulo, v.13, n.3, p. 252 – 258, 2009. Disponível em: . Acesso em: 22 ago 2017.

TAVARES, E. L. M. et al. Estudo normativo dos parâmetros acústicos vocais de crianças de 4 a 12 anos de idade sem sintomas vocais: estudo piloto. BJORL, São Paulo, 485-490, jul./ago., 2010. Disponível em: Acesso em: 15 set 2017.

TAVARES, E. L. M. et al. Estudo epidemiológico de disfonias em crianças de 4 a 12 anos. BJORL, São Paulo, 736-746, dezembro, 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 set 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.