Gagueira infantil: até que idade é considerada fisiológica?

Bruna de Almeida, Karine Aparecida Dzulinski, Tatiane da Silva Vieira

Resumo


Este trabalho tem como objetivo apresentar uma revisão integrativa sobre a gagueira infantil, a fim de analisar o que é considerado gagueira fisiológica e gagueira persistente. Foi realizado um levantamento de achados na literatura, no período entre 2006 e 2016, utilizando a combinação dos descritores “gagueira” e “criança”, sendo encontrados nos bancos de dados seis artigos publicados. A gagueira de desenvolvimento tem início na infância, entre 2 e 5 anos de idade, período em que ocorre a aquisição de linguagem. A família tem um papel fundamental em relação aos primeiros sinais relacionados à disfluência infantil, estando atentos ao desenvolvimento adequado da linguagem, sabendo diferenciar o que é uma gagueira fisiológica (natural) e o que a torna patológica, agindo de maneira preventiva e procurando profissionais adequados para melhores orientações e tratamento, caso necessário. A gagueira infantil é um tema importante a ser discutido e pesquisado na atualidade, pois engloba de maneira geral o desenvolvimento social, escolar e psicológico da criança.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Claudia Regina Furquim de, JUSTE, Fabiola Staróbole, FORTUNATO-TAVARES, Talita Maria. Priming lexical em crianças fluentes e com gagueira do desenvolvimento. CoDAS, São Paulo, v. 25, n. 2, 2013. Disponível em: . Acesso em: 06 de jul. de 2017.

ANDRADE, Elisa Silva de. Gagueira e dificuldade de aprendizagem. 2004. 46 f. Monografia - Curso de Especialização em Psicopedagogia, Universidade Candido Mendes, Niterói, 2004. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2017.

BORGES, Lucivanda Cavalcante; SALOMÃO, Nádia Maria Ribeiro. Aquisição da linguagem: considerações da perspectiva da interação social. Psicol. Reflex. Crít., Porto Alegre, v. 16. n. 2, 2003. Disponível em: . Acesso em: 06 de jul. de 2017.

BÜCHEL, Christian; SOMMER, Martin. O Que Causa a Gagueira?, 2004. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2017

DUARTE, Bruna da Silva; BATISTA, Cleide Vitor Mussini. Desenvolvimento infantil: Importância das atividades operacionais na educação infantil. Disponível em: . Acesso em: 06 de jul. 2017.

FIORIN, Michele et al. Fluência da leitura e da fala espontânea de escolares: estudo comparativo entre gagos e não gagos. Rev. CEFAC, São Paulo, v. 17, n.1, 2015. Disponível em: . Acesso em: 06 de jul. 2017.

JAKUBOVICZ, Regina. Gagueira. 6. ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2009.

MACIEL, Thamiris Moreira; CELESTE, Letícia Corrêa; MARTINS-REIS, Vanessa de Oliveira. Gagueira infantil: subsídios para pediatras e profissionais de saúde. Rev. Médica de Minas Gerais, 2012. Disponível em: . Acesso em: 06 de jul. de 2017.

MARTINS; Eliana de Menezes V. Gagueira e família: concepções, atitudes e sentimentos manifestados no discurso das mães. 2002. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2002. Disponível em: . Acesso em: 12 de jul. de 2017.

MERÇON, Suzana Maria de Amarante; NEMR, Katia. Gagueira e disfluência comum na infância: análise das manifestações clínicas nos seus aspectos qualitativos e quantitativos. Rev. CEFAC, São Paulo, v. 9. n. 2, 2007. Disponível em: . Acesso em: 06 de jul. de 2017.

OLIVEIRA, Cristiane Moço Canhetti de et al. Fatores de risco na gagueira desenvolvimental familial e isolada. Rev. CEFAC, São Paulo, 2010. Disponível em: . Acesso em: 06 de jul. de 2017.

OLIVEIRA; Cristiane Moço Canhetti de et al. Orientação familiar e seus efeitos na gagueira infantil. Rev. Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, 2010. Disponível em: . Acesso em: 06 de jul. de 2017.

OLIVEIRA, Cristiane Moço Canhetti de; PEREIRA, Larissa Jacomini. Gagueira desenvolvimental persistente: avaliação da fluência pré e pós-programa terapêutico. Rev. CEFAC, São Paulo, 2012. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2017.

OLIVEIRA, Polyana S. de; FRIEDMAN, Silvia. A clínica da gagueira e o livro infantil: considerações a partir de um caso. Rev. Distúrbios da Comunicação, v.18, n. 2, 2006. Disponível em: . Acesso em: 19 de jul. de 2017.

ROSSI, Rafaela et al. Habilidades fonológicas em crianças com gagueira. Rev. CEFAC, São Paulo, v. 16, n.1, 2014. Disponível em: . Acesso em: 12 de jul. de 2017.

SILVA; Lorene Karoline et al. Gagueira na escola: efeito de um programa de formação docente em gagueira. CoDAS, Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2015. Disponível em: . Acesso em: 12 de jul. de 2017.

ZERBETO, Amanda Brait; CHUN, Regina Yu Shon. Qualidade de vida dos cuidadores de crianças e adolescentes com alterações de fala e linguagem. CoDAS, São Paulo, v. 25. n. 2, 2013. Disponível em: . Acesso em: 06 de jul. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.