Linguagem em Demências: Inter-relação entre a neurologia e a fonoaudiologia

Flávia Tais Belvão, Indianara Waceliko, Francine Marson Costa

Resumo


O objetivo deste estudo foi conhecer qual é a conduta referida pelos neurologistas de um município do estado do Paraná com relação às alterações de linguagem pertinentes aos quadros demenciais. Para tanto, foi elaborado um questionário fechado, direcionado aos médicos neurologistas atuantes nesse município em 2017. A principal indicação fonoaudiológica nos casos de demência envolve os distúrbios da deglutição e os encaminhamentos são realizados, comumente, nas fases intermediária e avançada da doença; no entanto, entre as opções de outros tratamentos terapêuticos desses pacientes, a fonoaudiologia lidera as indicações. Considera-se necessária uma maior interação entre ambas as especialidades, para que haja uma abordagem mais ampla na reabilitação e tratamento das demências, principalmente, no que diz respeito às alterações de linguagem.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE,S. M. ET AL.Independência funcional e qualidade de vida em pacientes com sequelas neurológicas: a contribuição de um grupo terapêutico interdisciplinar.Ciênc. cogn. vol.15 no.2 Rio de Janeiro ago. 2010. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-58212010000200014 Acesso em: 13 out 2017.

ÁVILA, R.Resultados da Reabilitação Neuropsicológica em paciente com doença de Alzheimer leve. Rev. Psiq. Clín. 30 (4):139-146, 2003.

CAMARA, V.D. ET AL. Reabilitação Cognitiva das Demências.Revista Brasileira de Neurologia.Volume 45.No 1.jan - fev - mar, 2009. Disponível em: Acesso em:29 jul 2016.

CARAMELLI, P. BARBOSA, M. T. COMO DIAGNOSTICAR AS QUATRO CAUSAS MAIS FREQUENTES DE DEMÊNCIA? Revista Brasileira de Psiquiatria. 24(Supl I):7-10. 2002. Disponível em: . Acesso em: 30 set 2017.

FIDALGO, J.C.Utilização de estratégias comunicativas num grupo de conversação de pessoas com demências: estudo qualitativo. UFP. 101 p. Porto: 2012.

FRAGATA, G.M. CORREIA, C.M.F. Musicoterapia e reabilitação neuropsicológica: estudo de caso de paciente com demência vascular. Neurociências. Volume 6. Nº 2. abril/junho, 2010.

FURKIM, A.M., SANTINI, C.S. Disfagias orofaríngeas.Pró-Fono. Barueri: 2004. 368 p.

GROHER, M.E. Disfagias orofaríngeas:distúrbio de deglutição em idosos. Pró-Fono. Barueri: 2004. 368 p.

MARSON, F., BELVAO,F., WACELIKO, I.P.Linguagem e demências: o que sabemos sobre o tratamento? In:CONGRESSO BRASILEIRO DE FONOAUDIOLOGIA, XXIV. 2016. São Paulo. Anais...Disponível em:

NETO, J.G. et al. Diagnóstico diferencial das demências. Rev. psiquiatr. clín. vol.32 no.3 São Paulo: 2005. Disponível em: Acesso em: 27 set 2017.

OMS. Demência:Uma Prioridade da Saúde Pública.112 p. 2012. Disponível em:

http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/75263/1/9789241564458_eng.pdf> Acesso em: 14 jul 2016.

PEREZ, I.C.S. Orientações fonoaudiológicas para cuidadores e/ou familiares de pacientes adultos com demência.USP.87 p. Ribeirão Preto:2011.

SOARES, C.D. Perfil Neurolinguístico Comparativo das Demências tipo Alzheimer e não Alzheimer.UFGO.103 p. Goiânia: 2010.

SOBRAL, L. O.F. et al. Musicoterapia como tratamento sintomatológico da doença de Alzheimer: uma revisão integrativa. Repositório digital Asces. Mar 2017. Disponível em: Acesso em: 16 out 2017.

VENÂNCIO, C.P.L. Fonoaudiologia e arte terapia: resgate de interlocutores idosos com alterações de linguagem. Disponível em: Acesso em: 01 ago 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.