Reabilitação Auditiva e Implante Coclear: revisão integrativa de literatura

Adriele Borkovski, Larissa Cristine Bida, Carla Polido

Resumo


Este artigo em como objetivo identificar as evoluções de reabilitação auditiva decorrente do Implante Coclear a partir da literatura científica. Métodos: Trata-se de uma revisão integrativa de literatura, com publicações coletadas nos bancos de dados: ScientificElectronic Library Online (SciELO) e Google Acadêmico. Foram encontradas ao todo 2180 publicações, após seleção minunciosa foram selecionados 5 publicações para a amostra. Resultados: As publicações selecionadas relataram várias posições relacionadas à reabilitação do Implante Coclear, dentre eles: efetividade do Treinamento Auditivo Formal (TAF); a utilização do Implante Coclear para a reabilitação de crianças portadoras de Neuropatia Auditiva/Dissincronia Auditiva; métodos de colocação dos eletrodos do Implante Coclear, visando à preservação do resíduo auditivo; questionários subjetivos que caracterizam o desempenho auditivo em usuários de Implante Coclear e a relação dos conhecimentos que médicos têm fonoaudiólogos têm acerca do Implante Coclear. Conclusão: Observou-se que na evolução da tecnologia e da ciência muitos são as variáveis quando se trata de reabilitação em Implante Coclear, levando em consideração desde o modo da cirurgia de colocação dos eletrodos até o treinamento auditivo pós ativação do Implante Coclear.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, G. M. Q. et al. Deficiência auditiva na toxoplasmose congênita detectada pela triagem neonatal. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia, Belo Horizonte, v. 74, n. 1, p.8-21, jan-fev, 2008.

BRASIL. Constituição (2014). Portaria Gm/ms nº 2.776, de 08 de dezembro de 2014. Diretrizes Gerais Para A AtenÇÃo Especializada Às Pessoas Com Deficiência Auditiva no Sistema Único de Saúde (sus). Brasília.

BEVILACQUA, M. C. Procedimentos Diagnósticos na avaliação Infantil. Ed. USP. Bauru, p. 21, 1998.

CAMPARIM, M. C; RIBAS, A. Avaliação da percepção da fala em um grupo de crianças usuárias de implante coclear, Curitiba, UTP, 2010.

CAPORALI, Priscila Faissola et al. Tradução e Adaptação Transcultural para o Português Brasileiro do Questionário Hearing Implant Sound Quality Index - (HISQUI19). Codas, São Paulo, v. 4, n. 28, p.758-764, out. 2008.

CARVALHO, G.M. et al. Estimulação eletroacústica do sistema auditivo: Técnica cirúrgica UNICAMP. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia, São Paulo, v. 78, n. 1, p.43-50, fev. 2012.

DOLCI, J. E. L.; SILVA, L. Otorrinolaringologia: Guia prático. São Paulo: Atheneu, 2012. 833 p.

GIL, D. Treinamento auditivo formal em adultos com deficiência auditiva. 2006. 193 f. Tese (Doutorado em Distúrbios da Comunicação Humana). Escola Paulista de Medicina, São Paulo, 2006.

GUERRA, A.M. et al. Conhecimento de fonoaudiólogos e otorrinolaringologistas do distrito federal acerca do implante coclear. Revista Cefac, Brasilia, v. 4, n. 17, p.1055-1061, jul. 2015.

GUIMARÃES, A. C. et al. Preservação auditiva e implante coclear de acordo com a abordagem da orelha interna: avaliação multicêntrica. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia, Campinas, v. 81, n. 2, p.190-196, maio 2015.

HELOU, L. F.; NOVAES, B. C. Utilização da matriz de confusão na indicação de aparelho de amplificação sonora individual. Distúrbios da Comunicação, São Paulo, v. 17, n. 2, p.203-213, ago. 2005.

KOZLOWSKI, L. Implante Cocleares. Pró-Fono.São Paulo, 1997.

MACEDO, L. S.; PUPO, A. C.; BALIEIRO, C. R. Aplicabilidade dos questionários de auto avaliação em adultos e idosos com deficiência auditiva. São Paulo, Distúrbio Da Comunicação, n. 18, p. 18-25, abril, 2006.

MEGALE, R. L.; IÓRICO, M. C. M.; SCHOCHAT, E. Treinamento auditivo: avaliação do benefício em idosos usuários de próteses auditivas. Pró-Fono Revista de Atualização Científica. n. 22 (2), p. 101-106, abr-jun. 2010.

MENDES, Karina dal Sasso; SILVEIRA, Renata Cristina de Campos Pereira; GALVÃO, Cristina Maria. Revisão Integrativa: Método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 4, n. 17, p.758-764, Não é um mês valido! 2008.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Constituição (1999). Portaria nº 1.278, de 20 de outubro de 19999. Portaria Nº 2.776, de 18 de Dezembro de 2014.

MIRANDA, Elisiane de Crestani et al. A efetividade do treinamento auditivo formal em idosos usuários de próteses auditivas no período de aclimatização. Revista Sociedade Brasileira Fonoaudiologia, São Paulo, v. 4, n. 12, p.316-321, nov. 2007.

MORETTIN, M.; Avaliação da qualidade de vida em crianças com Implante Coclear: revisão sistemática. São Paulo, Jornal Brasileiro Otorrinolaringologia, São Paulo, v. 79, n. 3, p. 382-390, mai/jun. 2013.

PINHEIRO, M. M. C; PEREIRA, L. D.. Processamento auditivo em idosos: estudo da interação por meio de testes com estímulos verbais e não verbais. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia, São Paulo, v. 70, n. 2, p.209-214, mar-abr. 2004.

SCARANELLO, C. A. Reabilitação Auditiva Pós Implante Coclear. Revista Médica, Ribeirão Preto, v. 38, n. 3/4, p.273-278, jul-dez, 2005. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2017.

SILVA, R. C. L.; ARAÚJO, S. G. Os resultados do implante coclear em crianças portadoras de Neuropatia Auditiva: revisão de literatura. São Paulo, Revista sociedade Brasileira Fonoaudiologia, v. 1, n. 3, jul/set, 2007.

SLEIFER, P; FERNANDES, V. A. Conhecimento dos fonoaudiólogos de Porto Alegre sobre a atuação fonoaudiológica no implante coclear. Revista Cefac, Porto Alegra, v. 13, n. 2, p.259-270, mar-abr. 2011

TEFILI, D. et al. Implantes Cocleare: aspectos tecnológicos e papel socioeconômico. Revista Brasileira Engenharia Biomédica. v. 29, n. 4, p. 414-433, dez. 2013.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (São Paulo). Usp (Org.). Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais/HRAC USP – Centrinho. 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.