O Desafio Encontrado pelo Professor de Anos Iniciais do Ensino Fundamental, ao Trabalhar com um Aluno com Transtorno de Espectro Autista

Gabriela Dias Lopes Brandão, Lucimara Glap

Resumo


O autismo é caracterizado na maioria das vezes pela ausência da fala e interação com os outros, movimentos repetitivos atípicos. Estas e outras características podem levar a um isolamento contínuo da criança, com a sua família e o mundo a sua volta. Hoje em dia existem várias pesquisas sobre a inclusão dos alunos com necessidades especiais no contexto das escolas de ensino regular, oportunizando a essas crianças o convívio com outras da mesma faixa etária, constituindo-se num espaço de aprendizagem e de desenvolvimento. A inclusão dos alunos com necessidades especiais em salas de ensino regular se tornou uma prática cada vez mais evidente nos dias de hoje. Pensando na formação do professor para melhor atender as necessidades do seu aluno especial, o direito a educação é assegurado por várias leis, sendo algumas delas: Constituição Federal -1988 LDBEN- 9.394/94, Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno de Espectro Autista – 12.764- 2012. Desse modo a presente pesquisa tem por finalidade analisar os desafios encontrados pelo professor na inclusão da criança com transtorno de espectro autista no contexto de Ensino Fundamental anos iniciais. Para realização da pesquisa, que tem como abordagem a pesquisa qualitativa, utilizou como procedimento técnico a pesquisa de campo, na turma do 2° ano do Ensino Fundamental. Como instrumento de coleta de dados foi elaborado um questionário com 11 questões abertas a professora regente de turma e co-regente.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO AMERICANA DE PSIQUIATRIA. DSM IV – Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. DSM-5 / [American PsychiatncAssociation, traduç .Nascimento Maria Inês Corrêa. et al.]; revisão técnica: Cordioli Aristides Volpato. [et al.]. - . Porto Alegre: Artmed, 2014. xliv, 948 p.; 25 cm.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Organização de Alexandre de Moraes. 16.ed. São Paulo: Atlas, 2000.

_____. Lei Federal nº. 4024/61. Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 1961. Disponível em Acesso em: 12/10/2017

_____. Lei Federal nº. 5692/71. Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 1971. Disponível em:

Acesso em: 12/10/2017

_____. Lei Federal nº. 9394/96. Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 1996. Disponível em: Acesso em: 30/06/2017

______. Resolução CNE/CEB nº. 2 de 11 de setembro de 2001. Diretrizes nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: MEC, 2001.

______. Decreto nº. 3.956 de 8 de outubro de 2001. Brasília, 2001. Disponível em: Acesso em: 13/10/2017

______. Lei n°. 8.069 de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 1990.

______. Lei nº. 10.172 de 9 de janeiro de 2001. Brasília, 2001. Disponível em: Acesso em: 15/10/2017

________. Plano Nacional de Educação – PNE. Ministério da Educação. Brasília, DF: INEP, 2000.

________. Documento Final da Conferência Nacional de Educação.Brasília: MEC, 2007.

BENDER,L.D-LisergicAcid in the Treatment of the Biological Features of Child hood Schizofrenia. DiseasesofnervousSystem .27, 1956, p. 43-45.

BLEUER, E. Psiquiatria. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 1911.

_________. Psiquiatria. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 1985.

BOSA, C. A.; HÖHER, S. P. Autismo e Inclusão: Possibilidades e Limites. IN: GOMES, Marcio. Construindo as Trilhas para a Inclusão.Petrópolis: Vozes, 2009.

FERRARI, Pierre. Autismo Infantil: o que é e como tratar. São Paulo: Paulinas, 2012.

CARVALHO, R. E. A Escola Inclusiva como a que Remove barreiras para a aprendizagem e para a participação de todos. IN: GOMES, Marcio. Construindo as Trilhas para a Inclusão. Petrópolis: Vozes, 2009.

KANNER, Leo. Autistic Disturbances of Affective Contact. Nervous Child, n. 2,1943. p. 217-250.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos da metodologia cientifica. 4ª Reimpressão. São Paulo: Atlas, 1991.

LAURRENT, ÉRIC. A batalha do autismo da clínica à política. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2014.

MACHADO, A. M. BARRETO, M. A. S. C. Dilemas da inclusão na educação básica frente às diretrizes para a formação em pedagogia. In: Adriana Marcondes Machado, et al. (Org.). Educação Inclusiva: Direitos Humanos na Escola. São Paulo – Brasilia: Casa do Psicólogo – Conselho Federal de Psicologia, 2005, v. 1, p. 1-12.

ONU/UNESCO. (1994). Declaração de Salamanca. Disponível em:

Acesso em 02junho2017.

PIONTELLI, A. De feto a criança: um estudo observacional e psicanalítico. Tradução de Joana Wilheim, Nici Lira Gomes e Sonia Maria Godoy. Rio de Janeiro: Imago, 1995.

RAMOS, Rosana. Inclusão na prática: estratégias eficazes para a educação inclusiva.3.ed. São Paulo: Summus, 2016.

RAPIN, I. Autism. New England journal of Medicine, 337 (2), p. 97-104, 1997.

SILVA, E. L.; MENEZES, E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4.ed. Florianópolis: UFSC, 2005. 138p.

SOLER, Reinaldo. Educação Física Inclusiva: em busca de uma escola plural. 2ed. Rio de Janeiro: Sprint, 2005.

STELZER, Fernando Gustavo. Uma pequena história do Autismo. Cadernos Pandorga de Autismo. São Leopoldo/RS, volume, volume 1, Jun. 2010. Disponível em:

. Acessoem: 02 junho 2017.

YOUNG, R. Current research in the area of autism and Savant syndrome. International Education Journal, (2001). Disponível em:Acesso em: 22 out 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.