APRECIAÇÃO ESTÉTICA DO BELO E DO FEIO

Representações imagéticas e suas complexidades

Autores

Resumo

O artigo refere-se à apreciação estética do Belo e do Feio nas representações imagéticas. Apresentamos conceitos sobre imagem por Manguel (2009), Santaella (2012), Berger (1999) e tem como objetivo esclarecer visões sobre estética e sua apreciação. Contribuem para esse entendimento os filósofos Kant (1993) e Hegel (1996). Abordamos sobre as transformações artísticas de Duchamp e Wahrol (GOMPERTZ, 2013), os quais através da sua arte, transformam, provocam outros conceitos sobre apreciação estética, sobre Arte. O dramaturgo, poeta e professor brasileiro Ariano Suassuna (2011) contribui com suas considerações sobre apreciações estéticas no discurso entre o Belo e o Feio. Destacamos o artista Francis Bacon que produziu imagens pictóricas voltadas ao seu prazer pelo Feio, fez da sua Arte uma provocação através da desconstrução imagética Através dos discursos de Sylvester (1995) e Deleuze (1991) se constrói um parecer sobre o que e como este artista enxergou o mundo.

Biografia do Autor

Adriana Rodrigues Suarez, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Doutora em Educação. Pós-doutoranda do Programa de Pós Graduação em Educação – PPGE/UEPG- PR. Mestre em Comunicação e Linguagens (Cinema)- TUIUTI/ Curitiba- PR. Professora vinculada ao Departamento de Artes e atua no Curso de Licenciatura em Artes Visuais- UEPG, Membro da Federação de Arte- Educadores do Brasil- FAEB. Membro do Grupo de Pesquisa em Artes Visuais, Educação e Cultura- GEPAVEC/ Diretório do CNPq

Ana Luiza Ruschel Nunes, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Pós-Doutora. Professora do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da Universidade do Estado de Santa Catarina/SC (2016-atual). Doutora em Educação UNICAMP/SP (1997); Mestre em Educação pela UFSM/ RS (1990); Licenciatura Plena em Artes Plásticas pela UFSM/ RS (1981). Atualmente professora adjunta do Programa de Pós-Graduação- Mestrado/ Doutorado em Educação da Universidade Estadual de Ponta Grossa, vinculada ao Departamento de Artes e atua no Curso de Licenciatura em Artes Visuais- UEPG, Membro da ANPAP/BR e da Federação dos Arte- Educadores do Brasil- FAEB. Líder do Grupo de Pesquisa em Artes Visuais, Educação e Cultura- GEPAVEC/ Diretório do CNPq.

Referências

BERGER, J. Modos de Ver. Rio de Janeiro: Rocco,1999.

BRAS, G. Hegel e a Arte: uma apresentação estética. Tradução de Maria Luiza X de A. Borges. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1990.

DELEUZE, G. Francis Bacon: Lógica da Sensação. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

FICACCI, L. Bacon. Taschen, 2007.

FISCHER, E. A Necessidade da Arte. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.

GOMBRICH, E.H. A História da Arte. Rio de Janeiro: LTC, 1999.

GOMPERTZ, W. Isso é Arte? Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

HEGEL, G. W. F. Estética a ideia e o ideal: estética o belo artístico ou o ideal. Tradução de Orlando Vitorino. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

KANT, I Crítica da faculdade do juízo. Tradução de Valério Rohden e Antonio Marques. Rio de janeiro: Forense Universitária, 1993.

MANGUEL, A. Lendo imagens- uma história de amor e ódio. São Paulo: Companhia das Letras, 2001

PLATÃO, A República. Apresentação e comentários de Bernard Piettre. Tradução de Elza Moreira Marcelina. São Paulo: Ática, 1989.

SANTAELLA, L. Leitura de imagens. São Paulo: Editora Melhoramentos, 2012 (Como eu ensino).

SYLVESTER, D. Entrevistas com Francis Bacon. Rio de Janeiro: Cosac Naify,1998.

SUASSUNA, A. Iniciação à Estética. 11ª ed. Rio de janeiro: José Olímpio, 2011.

Downloads

Publicado

06-08-2021

Como Citar

Suarez, A. R. ., & Nunes, A. L. R. (2021). APRECIAÇÃO ESTÉTICA DO BELO E DO FEIO: Representações imagéticas e suas complexidades. Faculdade Sant’Ana Em Revista, 5(1), p. 63 - 81. Recuperado de https://www.iessa.edu.br/revista/index.php/fsr/article/view/1993

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)